DICAS DO BEM

Sim, Você Pode: Bens e Serviços que Estimulam o Empoderamento Feminino


O ano é 2018 e até aqui já tivemos diversos produtos, serviços e organizações trazendo nos discursos de suas marcas o empoderamento feminino como valor fundamental.

Em 2017 a marca de cerveja Skol resolveu apagar o machismo em seu passado convidando diversas artistas para  transformar antigos anúncios em expressões do empoderamento feminino da marca. 

 

Evidente que falar sobre empoderamento feminino é melhor do que nunca se pronunciar a respeito, entretanto, mesmo depois do tanto que foi esclarecido e debatido através de movimentos sociais e campanhas super criativas (e milionárias) ainda observamos frequentes episódios de machismo e estatísticas que nos mostram o quanto a igualdade de gênero está distante de ser uma realidade.

 

O episódio mais recente de misoginia que virou manchete no mundo todo aconteceu com a tenista Serena Williams que durante a final do U.S Open foi penalizada por “coaching”, que segundo ela, é uma prática que a maioria dos tenistas masculinos têm adotado sem receber nenhum tipo de penalização. 

Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), a diferença de salários entre homens e mulheres nos países mais desenvolvidos varia entre 5% e 36%. Nos países em desenvolvimento as diferenças são ainda maiores, no Brasil, chega a impressionantes 42%. Os dados são de 2017.

 

Uma evolução perceptível pode ser vista no longo prazo, também influenciada pelos movimentos sociais e pela própria sociedade civil. Quanto aos discursos de empoderamento feminino das marcas, embora tenham ajudado a trazer o debate para o “mainstream”, não há como mensurar os seus reais impactos.

 

A campanha #MeToo teve início nas redes sociais depois de uma acusação de assédio sexual feita por uma atriz. A ideia foi mostrar para as pessoas o tamanho do problema através de tweets de mulheres relatando os abusos que sofreram. A campanha ganhou o “mainstream” com o apoio de várias celebridades de Hollywood que durante a premiação do Globo de Ouro em fevereiro de 2018 se vestiram de preto em homenagem ao movimento.

A pergunta que fica é: será que está na hora das organizações irem além do discurso pró-social e começar adotar o empoderamento feminino como propósito de suas atividades? A resposta é sim, e como? Veja nossa lista abaixo:

 

 

1. YELLOW SCOPE

Fundada pelas cientistas Kelly McCollum e Marcie Colledge, a Yellow Scope quer estimular meninas a escolher carreiras em áreas predominantemente masculinas da ciência, como física e química. Trata-se de uma marca de brinquedos educativos para estimular o empoderamento feminino através da criatividade das pequenas com experimentos científicos e desafios em grupo.

 

2. PRINCESS AWESOME

Muitas meninas gostam de vestidos, flores e arco-íris. Muitas também gostam de carros, robôs e piratas e é por isso que a Princess Awesome entrou no mercado com roupas para meninas com estampas consideradas por muitos, masculinas: aviões, dinossauros, caminhões e naves espaciais são alguns exemplos.

 

 

3.  GIRLS WHO CODE

A Girls Who Code surgiu com a finalidade de reduzir a diferença entre a presença de homens e mulheres no campo da computação, que de 1995 para cá, sofreu um aumento de 15%. Suas atividades incluem cursos de capacitação em ciências da computação, webdesign, design de moda e desenvolvimento de aplicativos.

 

 

4. REDE ASTA

As brasileiras Alice Freitas e Rachel Schettino criaram a Rede Asta com objetivo de transformar mulheres artesãs em empreendedoras, oferecendo para elas formação voltada para os negócios e conectando-as ao mercado de compradores de artesanato no Brasil. A Rede Asta também conta com uma loja virtual e uma loja física no Rio de Janeiro onde pode-se encontrar peças de artesanato diversas como bolsas, almofadas, carteiras e porta-retratos.

 

 

5.  GIRLS THINK OF EVERYTHING

Girls Think of Everything (Mulheres Pensam em Tudo)  nada mais é do que uma coletânea de biografias de mulheres inventoras que mudaram o mundo com as suas descobertas como Letitia Mumford (seringa), Marion Donovan (fraldas descartáveis), Stephanie Kwolek (colete à prova de balas), dentre outras. O livro é voltado para o público infanto-juvenil e conta com muitas ilustrações além das histórias inspiradoras.

 

 

6. FASHIONABLE

O objetivo da marca Fashionable é alcançar o empoderamento feminino sustentável através da capacitação e inserção de mulheres em situação de pobreza no mercado de trabalho. Os produtos da marca são fabricados na Etiópia, no México e no Peru e são vendidos na loja virtual da empresa e também em uma loja física em Nashville nos Estados Unidos.

 

 

7. GOLDIE BLOX

Se somente 14% dos profissionais de engenharia no mundo são mulheres, a marca de brinquedos Goldie Blox veio para transformar essa realidade. Seus brinquedos são educativos e estimulam o empoderamento feminino introduzindo as pequenas no universo da engenharia com probleminhas básicos de construção e como fazer para resolvê-los de maneira divertida.

 

 

8. HERSELF

Essa startup criada por duas brasileiras decidiu desenvolver um produto inovador que realmente atendesse as necessidades das  mulheres. A Herself é primeira calcinha menstrual nacional à prova de manchas que as mulheres podem usar, lavar e usar de novo, contribuindo para a redução de resíduos e deixando as mulheres mais seguras e confortáveis durante o período menstrual que é um período incômodo para muitas mulheres.

 

 

9. MOMENT HEALTH

Lançado no Reino Unido no ano passado, o aplicativo Moment Health fornece ferramentas virtuais de saúde mental para mulheres que sentem depressão pós-parto. O aplicativo inclui um rastreador de humor e um serviço de localização de grupos de suporte para que dúvidas comuns possam ser tiradas para mães de primeira viagem.

 

 

10. MANAS À OBRA

A Manas à Obra oferece serviços de “mana de aluguel”,  assegurando a integridade física, moral, social e psicológica de mulheres e pessoas LGBT que necessitam de serviços e reparos domésticos, evitando possíveis abusos, assédios e discriminação.

 

 

11. RAÍZES E KORUI

A Raízes é um negócio social formado por mulheres especialistas em diversas áreas de conhecimento. A organização atua com turismo sustentável, empreendedorismo, empoderamento feminino e governança de redes. Dentre vários projetos desenvolvidos, a Raízes, em parceira com a Korui, criou o Dona do Meu Fluxo que oferece workshops que ensinam para as mulheres em situação de vulnerabilidade a importância do uso do coletor menstrual e suas vantagens para elas e para o meio ambiente. O recurso, fabricado pela Korui também é distribuído gratuitamente para as mulheres contempladas pelo projeto.

 

 

12. MALALAI

Malalai é um aplicativo voltado para mulheres que querem se deslocar sozinhas em espaços públicos com segurança. O app mostra os pontos positivos e negativos da rota percorrida: policiamento fixo, rua movimentada, edifícios com porteiro, trechos mal iluminados, etc. O app ainda alerta pessoas relacionadas sobre a localização do usuário de forma automatizada.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *