NO TRABALHO

COVID 19: O que a Sua Empresa (e você) Podem Fazer Agora?


Não vou aqui entrar no mérito dos sintomas e consequências do coronavírus para saúde e como isso deve ser tratado, isso é trabalho para os médicos e os pesquisadores da área. Nos próximos dias, quem sabe meses, provavelmente passaremos por um período de recessão da atividade econômica e enfrentaremos grandes desafios tanto no sentido de manter o controle da pandemia – um esforço que deverá ser coletivo – quanto o de manter as nossas organizações funcionando.

O desafio principal neste momento é o de diminuir a curva de crescimento de novos casos e por isso precisamos adotar medidas enquanto sociedade e também enquanto gestores de negócios. Como editor deste canal, que tem como foco principal os negócios, decidi contribuir com algumas recomendações não só para aqueles que, como eu, tem o seu negócio, mas para quem também faz parte de uma organização e também terá que se mobilizar para atravessarmos essa crise da melhor forma que podemos.

1. INFORMAÇÃO É TUDO

Providenciar um guia de instrução de como evitar a contaminação e a propagação do vírus tanto em casa quanto no ambiente de trabalho é chave. Isso pode ser feito via boletins, panfletos, e-mails ou até mesmo vídeos tutoriais, aquilo que for mais eficiente na comunicação com os funcionários e colaboradores da organização. Para isso, procure fontes de informação legítimas tais como o Ministério da Saúde, que neste mês lançou o aplicativo Coronavírus-SUS, que tem o objetivo de conscientizar a população sobre o vírus e evitar a divulgação de informações falsas.

2. LOCAIS E HORÁRIOS DE TRABALHO FLEXÍVEIS

Na medida do que for possível para a sua empresa, adotar o regime de trabalho remoto e permitir que os funcionários façam os seus próprios horários é uma contribuição importante no sentido de evitar a propagação do vírus tanto em ambiente de escritório – normalmente fechado e cheio de gente – quanto no transporte entre a casa e o trabalho, onde normalmente se utiliza ônibus e metrô, ambientes que se estiverem lotados, também são propícios para propagação do coronavírus. Considerando a tecnologia que temos hoje, trabalhos de escritório podem ser facilmente substituídos por plataformas virtuais e nuvens sem afetar a produtividade da empresa – sinceramente, é difícil compreender pq algumas empresas ainda adotam o modelo de escritório.

3. EVITE REUNIÕES PRESENCIAIS E VIAGENS

Este tópico vem na esteira do anterior, se queremos evitar ambientes lotados e fechados devemos optar pelas reuniões online via Skype, Google Hangouts ou Zoom. Vale mencionar que tem muita reunião por aí que pode ser facilmente substituída por um e-mail, espero que depois de passarmos por esse episódio, algumas empresas aprendam isso. Existem outras ferramentas colaborativas interessantes para trabalhos em equipe como o Collabedit, vale a pena dar uma olhada.

Além disso, viagens a trabalho podem ser igualmente substituídas por teleconferências ou chats. Evite ao máximo a presença em locais onde o ar é compartilhado e não renovado como cabines de aviões .

4. HIGIENE DO ESPAÇO DE TRABALHO

Se for imprescindível a presença de algum dos funcionários ou colaboradores em loco, seja na rua, seja no prédio da organização, invista na higienização do espaço e das ferramentas de trabalho. No escritório, priorize a limpeza profunda de banheiros e superfícies de contato com material desinfetante. Computadores e notebooks compartilhados também devem ser higienizados com material próprio para isso (não use água!). Distribua álcool-gel para uso dos funcionários, principalmente para os que trabalham na rua, como vendedores por exemplo. Quanto a utilização de máscaras, a Organização Mundial de Saúde recomenda que as pessoas NÃO USEM máscaras a menos que estejam sentindo os sintomas da doença ou estejam em contato muito próximo com um doente, sendo que não existe qualquer evidência de que elas evitam a contaminação, portanto, a pessoa não deve nunca de despreocupar com a higiene. Além disso, a alta demanda pelo uso de máscaras já esta acarretando na falta do produto onde ele é realmente necessário, nos hospitais e clínicas de atendimento.

5. EM CASO DE SUSPEITA

Se alguém que trabalha na sua empresa acabou de retornar de uma localidade com alta incidência de coronavírus ou contraiu alguns dos sintomas, dispense ou solicite a sua dispensa dessa pessoa imediatamente e aguarde até que se passem 15 dias sem nenhuma manifestação ou até o resultado dos exames em caso da pessoa estar com sintomas. O período de incubação do COVID-19 hoje é de duas semanas mas isso pode mudar com o tempo. Em caso de contaminação confirmada é importante saber com que a pessoa teve contato dentro e fora do prédio e lançar uma nota de aviso a todos os funcionários e colaboradores para que os mesmos estejam alertados e se policiem. Tome cuidado com o alarde precipitado, a grande maioria dos casos suspeitos do coronavírus não se confirmam, portanto aguarde até que os exames confirmem do caso.

6. MANTENHA-SE INFORMADO

Em casos de pandemia como a do COVID 19, é normal o vírus sofrer mutações ao longo do tempo. Isso significa que as medidas de prevenção e controle do vírus também podem mudar assim como os sintomas e o tratamento, portanto, é fundamental todos se manterem informados sobre a evolução do vírus. A Folha de São Paulo esta disponibilizando as matérias sobre coronavírus gratuitamente mesmo para quem não é assinante, portanto, não tem desculpa!

7. NÃO FAÇA ESTOQUE DE PRODUTOS

Não estamos enfrentando o apocalipse zumbi, ainda podemos fazer compras ou solicitar entregas de produtos sem problemas. Não é preciso ter pânico, estocar produtos impede que outras pessoas também tenham acesso à eles e daí não adianta nada ter galões de álcool gel na sua empresa enquanto nas outras faltam e as pessoas ao seu redor não se protegem.

OBS: Para os empresários do ramo da higiene e dos equipamentos médicos não sejam desumanos e supervalorizem seus produtos para ganhar dinheiro às custas de uma tragédia. Façam como a Folha e outras empresas e pensem no bem estar coletivo, de nada adianta uns poucos terem condições de se proteger e se tratar se a maioria não terá (e já não tem do jeito que está).

Por fim, se você é empresário como eu, quero dizer que investir no bem estar de seus funcionários e colaboradores, assim como no bem estar de sua comunidade é investir em você, portanto, esteja atento ao que acontece todos os dias e nas mudanças das relações de trabalho que irão decorrer deste episódio. Talvez muitas delas sejam repensadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *